terça-feira, 16 abril, 2024
Ultimas noticias

Escolinhas da FME de Içara formam craques no esporte e na vida

Após viajar o mundo como atleta profissional de futebol, André Roberto Soares, popularmente conhecido como Beto Cachoeira, encontrou em Içara um meio de continuar ligado ao esporte e compartilhar seus ensinamentos. Ele faz parte da equipe de professores da Fundação Municipal de Esportes (FME), que mantém escolinhas de futebol, vôlei, futsal, karatê, basquete e tênis de mesa. Atualmente, o município atende cerca de 1,8 mil jovens de cinco a 18 anos.

“É muito satisfatório poder repassar aquilo o que eu aprendi durante a carreira. Eu já tive ao menos 15 treinadores enquanto era jogador. Procuro tirar um pouquinho das experiências de cada um deles para essa gurizada e assim fazer com que eles busquem os sonhos deles”, afirma Beto.

De acordo com o ex-atleta, o esporte é um importante aliado da qualidade de vida, além de trabalhar princípios importantes para crianças e adolescentes, como o respeito, a hierarquia e o trabalho em equipe. “Prezamos muito, também, pela educação. Esses ensinamentos refletem fora do campo, na convivência familiar e na escola. Com todos esses fatores juntos, eles têm tudo para dar certo”, completa.

Apenas nas escolinhas de futebol, com o projeto Rei Pelé, a FME de Içara trabalha com 550 alunos, em oito núcleos espalhados pela cidade. O karatê é outra febre entre os jovens içarenses. Através do projeto Karatecas do Futuro, são 800 praticantes em 18 núcleos. “Poder levar essa iniciativa aos bairros foi uma grande ideia, porque agora eles têm a oportunidade de praticar o esporte mais perto de casa, sem precisar se deslocar”, destaca o professor e coordenador do projeto, Everaldo Pereira.

“Enxergamos o esporte não como uma solução, mas como um auxílio na formação de pessoas e um meio muito importante na socialização. Essas crianças e adolescentes treinam com alunos de outras escolas, desenvolvem a saúde do corpo e da mente e, de quebra, aprendem as técnicas dos esportes”, pontua Paulo César Crecêncio, presidente da FME de Içara.

Menos telas, mais exercícios

Eduardo Custódio tem uma filha de 14 anos, que começou a praticar vôlei no início deste ano. Antes, a adolescente mantinha uma rotina sedentária, sem qualquer tipo de exercícios físicos. A chegada do esporte trouxe uma importante mudança. “No psicológico, principalmente. Saindo de dentro do quarto, deixando de lado a internet e interagindo com outras pessoas. Ela já fez várias novas amizades, se soltou mais. Esporte é tudo”, comenta o pai.

A técnica de vôlei é Carina Covatti, responsável por 130 alunos. Ela é outra ex-atleta que, após parar de competir, continuou fazendo do esporte uma profissão. “Nesse mundo tão tecnológico em que vivemos, ter essa atividade extracurricular é essencial. É uma atividade que além de ser física, também é mental. Quando me tornei técnica de vôlei, senti que me realizei profissionalmente”, afirma a professora.

Para a prefeita de Içara, Dalvania Cardoso, investir em esporte é investir em saúde, bem-estar, inclusão social e qualidade de vida. “O nosso futuro passa por essa juventude, que precisa estar sempre ativa. Sendo participando das aulas de inglês, dos cursos de robótica, das oficinas da fundação cultural ou das escolinhas da FME, estamos dando a oportunidade para essas crianças e adolescentes participarem de uma sociedade mais inclusiva e se desenvolverem de uma maneira saudável”, salienta.

Gostou da notícia então compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Mais lidas da semana

Noticias em destaque

Noticias

Outros links uteis