terça-feira, 16 abril, 2024
Ultimas noticias

Profissional alerta para a chamada “Névoa Mental

Dicas de professora da Unesc podem ajudar nos cuidados com a memória em tempos de estímulos exacerbados (Foto: Divulgação/Agecom/Unesc)

Quando se fala em cuidar da própria saúde, pensamos logo em nutrição, pele, ou mesmo disposição física. Entretanto, os cuidados com a memória não podem ser esquecidos, pois é através dela que se recorda momentos felizes ou tristes. O problema é quando se passa a esquecer de informações indispensáveis no dia a dia.  Para esse caso, a psicologia já tem nome: chama-se “Névoa Mental”.

Segundo a professora da Unesc, Carla Sasso Simons, o termo tem origem na expressão em inglês “Brain Fog” se refere ao que acontece quando o nosso cérebro não consegue funcionar adequadamente.

“Significa que o nosso cérebro está funcionando, mas que falta alguma coisa para que ele funcione plenamente, ou seja, não temos uma alteração estrutural e sim uma alteração fisiológica”, explicou Carla à Unesc Rádio.

De acordo com a professora, homens e mulheres sofrem o mesmo índice de casos, porém pode haver situações variantes de acordo com o estilo de vida de cada pessoa. As variações, conforme Carla, podem ser desde exposição a telas ou questões clínicas que podem podem surgir ao longo da vida.

“Os primeiros estudos relacionados à Brain Fog revelaram que as pessoas de média idade entre os 55 e 60 anos eram os maiores acometidos. Entretanto, a idade desses pacientes reduziu e hoje há casos em adultos jovens entre 20 e 40 anos”, ressaltou a Dra. Carla Sasso.

Profissões mais acometidas

“De acordo com as evidências, profissionais que trabalham com tecnologias estão mais propensos em virtude do excesso de telas e também pela necessidade de estar programando ou trazendo informações diferentes”, alertou.

A professora recomenda que seja estipulado um limite diário para o uso de tecnologias, pois o excesso pode trazer prejuízos à saúde dos olhos.  “Acima de oito horas diárias já é algo prejudicial tanto para a retina quanto para a questão cerebral. Isso ocorre porque quando estamos nas telas, o primeiro estímulo vem pelos nervos ópticos”, explicou.

No que se refere às crianças, sabe-se que a exposição é ainda maior, porém, já existem registros de estudos que revelam que a exposição infantil às telas pode ser benéfica à memória dos pequenos.

“Elas utilizam mais para jogos e tudo o que se repete vai melhorando a memória e geralmente precisam buscar mais informações para subir de nível no jogo”.

Como tratar a Névoa Mental?

“A maior parte do tratamento é cognitiva e comportamental. Em poucos casos a neurologia pode determinar a aplicação de medicação. Quadros, rotinas e lembretes são alguns dos métodos”, concluiu a professora.

Ficou com dúvidas? Ouça essa e outras entrevistas completas realizadas pela Rádio Unesc. É muito simples. Basta entrar no aplicativo Unesc Rádio ou procurá-la na plataforma de áudio de preferência e desfrutar desse e inúmeros outros assuntos abordados por profissionais da Universidade. Os programas estão disponíveis gratuitamente também em vídeo no canal Unesc TV no Youtube (https://www.youtube.com/watch?v=I4M07l0Xa8o).

 

Colaboração: comunicação Unesc 

Gostou da notícia então compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Mais lidas da semana

Noticias em destaque

Noticias

Outros links uteis