Home SARAHUANA LOURENCO Como lidar com o término do relacionamento?

Como lidar com o término do relacionamento?

53


É fato que relações abertas e amantes ou descompromissadas podem trazer um prazer e relaxamento momentâneo, porém, a longo prazo, de modo geral podem também trazer mais sofrimento. Se relacionar com amantes também, são aventuras da vida que, uns passam e outros não. Muitos que passam, tentam sair dessa relação e alguns outros que não passam, pensam como seria se tivessem uma relação assim. Tais tipos de relações serão sempre uma incógnita e nunca se sabe no que vai acabar. Pois não há um planejamento, nem um compromisso assumido abertamente diante de todos e da comunidade. Se fôssemos perfeitos a conversa seria outra. Porém, enquanto não somos, devemos saber que vivemos mais corretamente sempre que estivermos sendo orientados e supervisionados. 

Por outro lado, pode-se dizer que não existem relações abertas. Pois, a relação só é aberta realmente, quando de fato não existe uma relação, apenas um contato. Relações exigem reciprocidade constante e, dentro de uma relação aberta isso muitas vezes é ignorado por uma necessidade individual e egoísta. Portanto, geralmente quando este sentimento não consegue mais saciar-se dentro dessa relação aberta é que, se mostrará realmente o quanto é aberto. São consideradas relações de maior risco. Risco de ficar sozinho novamente ou de ter que deixar alguém sozinho depois.

Deve-se saber a hora de se retirar de um relacionamento, e principalmente onde jamais entrar, mais importante que ter alguém, é ter tranqüilidade e paz de espírito, compreendendo que tudo tem seu tempo de acontecer. Uma reflexão interessante é imaginar quando você chega em casa, então você faz um café, senta na sua poltrona favorita e não tem ninguém, cabe a você decidir entre duas coisas, se isso é solidão, ou, se isso é liberdade. Uma mesma situação pode ser encarada de diversas formas, que tal encará-la de forma positiva e funcional? 

E lembre-se sempre: neste mundo de fenômenos tudo aparece e desaparece, portanto, nada pode ser considerado como “propriedade”. Observe corretamente os sofrimentos e você perceberá que eles são oportunidades de crescimento e aprendizado em sua vida, e que nada dura para sempre, nem mesmo o sofrimento. E se necessário busque ajuda profissional para ressignificar seus sentimentos.

 

Sarahuana Lourenço

Bacharel em Psicologia e Psicoterapeuta Corporal – CRP 12/14609