Home MARIA DE FATIMA PAVEI Içara, paraíso e ternura

Içara, paraíso e ternura

95


Içara, belo município de natureza perfeita. Filhos trabalhadores, que protegem suas terras e ambientes sem esquecer o passado. Preservam os encantadores presentes deixados por seus próprios pais e avós. Atualmente, mesmo os que vieram de longe, iniciam uma vida nova com um divino olhar para a maravilhosa cidade, Içara, e nada é quebrado e sim enriquecido ou criado com sabedoria.

Os que descansam se reúnem para conversar, apreciar a rua (ou as moças bonitas) e até tomar uma pura bebida (ou outras…) nos fascinantes dias de qualquer estação, de preferência nos finais das tardes invernais. Alguns idosos ficam horas sentados próximo aos trilhos do trem, olhares saudosos, “no espelho da visão está a segurança da verdade”. Momentos que transmitem um amor através dos seus sorrisos e ternuras… Amor segue os filhos da terra, que aqui nasceram e só sairão quando morrer… Almas parecem se despir de seus próprios corpos, além da fantasia.

Ao fechar os olhos surge o repouso tranquilo, pálpebras cerram-se e escondem o mundo real, olhos do espírito volvem-se para o mundo das existências ideais. E muitas vezes a esperança e a felicidade consolam, e saem ao instante de uma ventura transitória trazidas por visões consoladoras. Pensamentos surgem no próprio ar. Içara nunca esquecida e sempre amada! 

Observa-se o encontro político nas ruas, nas casas ou cidades vizinhas. Alguns se consagram como grandes heróis de resistência. Içara nua, porque tudo se pode tocar, transformar, querer… Belos jovens, crianças e pais andam pelas ruas, ricos filhos de Içara. A praia, que hoje não nos pertence mais, saudades sim… “Vocês são o templo de Deus e seu espírito vive em vocês”. “Querida Içara de vaidades modestas, seu nome vem das palmeiras que abundavam as florestas. Eras menina acanhada na mata atlântica escondida. O mar te fazia rendada na vazante era despida”. 

A praça traz alegrias, e a antiga Casa da Cultura voltou a ser a igreja repleta de orações. Fantástico, porque a volta ao passado valorizou a criação divina e deixou de ser esquecida. Uma igreja não deve ser abandonada ou transformada em outro ambiente. Eis a Igreja de Deus pintada e embelezada com amor! Atualmente os Içarenses religiosos ficam agradecidos por sua volta ao passado, relembrando o antigo Padre Bernardo Junckes, que amava tanto o belo espaço de Deus. Içara e suas luzes, e belos corpos de seu povo sempre sorrindo por onde andam e tão sereno com sábios sorrisos.