Home Geral Governo do Estado libera cadastro ao SC Mais Renda, auxílio emergencial aos...

Governo do Estado libera cadastro ao SC Mais Renda, auxílio emergencial aos catarinenses

95

Com a aprovação em plenário por unanimidade pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), nesta quarta-feira (09), o Governo do Estado dá mais um passo na implementação do SC Mais Renda. Hoje (10), inicia o cadastramento de profissionais que perderam o vínculo formal de emprego durante a pandemia para receber o auxílio emergencial. O projeto irá beneficiar trabalhadores dos setores de alimentação, hospedagem, eventos, artes cênicas, turismo e transporte público, além de pessoas em situação de vulnerabilidade social.

A expectativa é que 67 mil famílias sejam beneficiadas em Santa Catarina. Todas as informações para cadastramento estarão disponíveis a partir desta quinta. O benefício, no valor de R$ 900, será pago em três parcelas mensais de R$ 300.

O secretário adjunto Daniel Netto Cândido informou que após a aprovação do cadastro, junto à Secretaria de Desenvolvimento Social, serão distribuídos cartões magnéticos aos beneficiários (podem ser usados em supermercados, mercearias, padarias, quitandas, açougues, farmácias, restaurantes, papelarias, livrarias e até em postos de combustíveis.

“Queremos que a utilização ocorra da melhor maneira possível para o beneficiário, sem transtornos para quem já sofreu tanto com essa pandemia. Os cartões devem ser entregues com segurança e rapidez, amenizando o sofrimento de milhares de catarinenses”, explicou. Não há possibilidade de sacar o valor. O pagamento da primeira parcela está previsto para o fim de julho.

Famílias beneficiadas

Podem ser contempladas famílias registradas no Cadastro Único (CadÚnico) e do Benefício de Prestação Continuada (BPC), que não receberam nenhum auxílio do Governo Federal, além de pessoas desempregadas nos setores ligados à alimentação, alojamento, promoções, eventos e turismo. Além desses grupos, o Governo do Estado incluiu no pacote pessoas que trabalhavam no transporte coletivo e que perderam seus empregos.

Colaboração: Assessoria de Comunicação SDS