Home DR. MATEUS DARIO VOLPATO Doenças da vesícula biliar – O que devemos saber:

Doenças da vesícula biliar – O que devemos saber:

917

A vesícula biliar é um órgão muscular, localizada no lado superior direito do abdômen, abaixo dos arcos costais. Está aderida ao fígado, sua função é armazenar a bile, liquido produzido pelo fígado para facilitar a digestão de gorduras. Em seu funcionamento normal, se enche quando estamos em jejum e esvazia para a primeira porção do intestino, o duodeno, durante a alimentação, através de ductos cístico e colédoco.

A Colelitíase, doença mais comum da vesícula, são cálculos que se formam pelo acumulo dos sais biliares em estase no órgão, podem ter tamanhos variados, de lama biliar à cálculos maiores que 3cm.

Maioria dos pacientes são assintomáticos, diagnosticados por exames de rotina ou investigação de outras patologias. Dos 20% apresentam sintomas, a queixa principal a dor biliar, geralmente no epigástrio (estomago) ou hipocôndrio direito (HCD), logo a baixo das costelas, com frequências irradia para ombro direito. Tem início súbito e progressivo, durando de 15 min a 1 hora, precedida de alimentação ou sem fator desencadeante. Menos comumente a dor pode ser a esquerda ou na parte inferior da barriga.

O diagnóstico é feito por ultrassom, raramente necessitamos de outros exames.

O tratamento definitivo é cirúrgico, a colecistectomia (retirada da vesícula), deve preferencialmente ser realizada por via LAPAROSCOPICA (vídeo cirurgia), que apresenta inúmeras vantagens à cirurgia convencional, como menor tempo de recuperação, estética, entre outras.

Colecistite, inflamação da vesícula, é umas das principais complicações da Colelitíase, se apresenta com dor prolongada de forte intensidade em HCD com dificuldade de inspirar ao palpar o local (sinal de Murphy), febre e alteração no exame de sangue (leucocitose). A confirmação diagnostica é feita por ultrassom. O tratamento é cirúrgico, preferencialmente por via LAPAROSCOPICA, associado a antibióticos.

Colecodolitíase, calculo no colédoco, é outra complicação temida. A obstrução desse ducto leva a dor em HCD, icterícia (amarelão). Complicações como infecção do ducto e a inflamação do pâncreas podem acontecer. O tratamento é por CPRE (endoscopia) ou cirúrgico.

Pólipos, “verrugas”, na parede da vesícula, maiores que 1cm tem indicação de colecitectomia por via LAPAROSCOPICA, devido ao maior risco de câncer de vesícula.

O câncer da vesícula é raro, geralmente achado nas biopsias de colescitectomias. O tratamento é individualizado conforme a doença.